Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

pai João e mãe Sofia

pai João e mãe Sofia

"Então, e dás-te bem com o teu irmão?"

A pergunta tem surgido algumas vezes nos últimos tempos.

[Na verdade, agora que penso nisso, é uma coisa de médicos. Quando  o mais novo foi a uma consulta de rotina, quando o mais velho teve varicela e hoje, quando o mais novo foi a uma consulta de ligação (para a entrada no 1º ano) e mais uma vez a questão surgiu pela boca da médica.]

    

Respondem invariavelmente, quer um, quer outro "Nem por isso... O meu irmão está sempre a chatear-me!"

     

E eu sorrio porque é verdade... e não é. 

É verdade que discutem muitas vezes. Que se picam e disputam e chateiam e zangam. 

E porquê?

Porque não se largam.

Porque onde um está, está o outro. Brincam com os mesmos brinquedos, às mesmas brincadeiras, têm os mesmos interesses, brincam sempre no mesmo espaço - às vezes quase em cima um do outro, mesmo que haja espaço sem fim. E mesmo quando me canso se ouvir implicações entre eles e os mando cada um para seu lado, cinco minutos depois já estão juntos outra vez. 

            

[E hoje, que fiquei com o mini o dia todo à custa daquela consulta de hora e meia mesmo a meio da manhã, ouvi perguntar muitas vezes "Quando é que o mano chega?"]

                     

1 comentário

Comentar post