Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

pai João e mãe Sofia

pai João e mãe Sofia

Às vezes as dúvidas dissipam-se...

Mãããeee, nunca mais fomos àquelas salas de cores?

    

Salas de cores?

   

Sim... Aquelas salas com cores. Verde, roxo, laranja...

   

Mas onde? Na tua escola?

   

Não! Até havia cometadores com óscultadores para ouvirmos música!

     

Na Casa da Música?!?!?!?

   

Isso, mãe! Eu até levei a minha foca... É que nunca mais lá fomos...

    

  

Estivemos na Casa da Música, no Porto, há um ano atrás e não me lembro de falarmos nisso há muuuuuuito tempo. Foi uma aventura um bocado suicida, porque fazer uma visita guiada, com explicações prolongadas em muitos locais de um edifício, com um miúdo com 2 anos e outro com 4 meses preso num sling não é pêra doce.

  

Mas correu bem e, pelos visto, ele gostou.

    

Não é segredo para ninguém que eu acredito piamente nas experiências que proporcionamos aos miúdos. Não se trata de os tornar mais espertos, ou mais xpto, nem sequer mais especiais. Acho simplesmente que os enriquece e estimula, além das memórias para a vida que vão criando.

Caramba, tem de ser diferente passar uma manhã em casa ou passar a manhã num museu, ou num concerto, ou numa biblioteca!

Além disso, passear com os miúdos e ver e fazer coisas novas com eles são coisas que nos agradam bastante a nós.

    

Às vezes tenho medo de exagerar. De lhes dar a ilusão de que tudo gira à volta deles ou de que qualquer pedido para ir a algum lado é imediatamente aceite. Esforço-me por contrariar isso na medida em que acho importante e acho que consigo.

Mas, de vez em quando, sinto medo pelas expectativas criadas (o mais crescido pede vezes sem conta para voltar a sítios ou ateliers onde esteve) ou pelas vivências que o filhote já tem. Na sexta-feira, por exemplo, ofereceram-lhe um livrinho do Metro com um poster sobre uma viagem por vários sítios conhecidos de Lisboa e autocolantes para completar. Tremi quando, sentados à mesa de um café, o ajudei a colar os autocolantes e em todos sem excepção o ouvi exclamar, entusiasmado, do alto dos seus 3 anos Ah! Eu já lá fui!

      

Hoje, depois de lhe prometer que sim, que um dia havemos de voltar à Casa da Música (estás a ler, Rita?) fiquei pelo menos mais confiante no tipo de memórias que lhe estamos a proporcionar.

    

       

E bem a propósito, hoje o mini foi comigo a mais um concerto no Olga Cadaval e o filho crescido foi com os avós a uma oficina do conto na Gulbenkian. 

           

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.