Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pai João e mãe Sofia

pai João e mãe Sofia

Inseguranças

Gosto de ti, mãe.

    

E eu de ti!

 

Gostas de mim, desde que eu não faça disparates?

 

Os disparates têm sido muitos. É a idade e a ciumeira.

Tem provocado, desafiado, desobedecido, recusado e enfrentado.

Ao mesmo tempo que inventa disparates, desespera pela minha atenção, disputa-me com o pai, com o irmão e com toda a gente que queira trocar comigo mais do que duas palavras. Fala alto, muito alto e, regra geral, só tem tido dois estados de espírito: a histeria com que ri de tudo e mais alguma coisa e a tristeza e o choro sentido em que se afunda à mínima contrariedade ou repreensão.

     

É uma fase. É só uma fase, convenço-me e respiro bem fundo.

Procuro formas de lhe dar segurança, de lhe mostrar que é querido e amado, de o chamar à razão, de manter os limites de sempre. Mas isto de andar de birra em birra, de passar o dia a tentar não ralhar por tudo e por nada, de me tentar desdobrar impecavelmente nas mil e uma facetas que esperam de mim, é difícil e cansa. Muito.

        

Gosto de ti sempre!

Mesmo que faças disparates. - Digo-lhe.

      

E ele sorri.

     

E por falar em noites...

... elas ainda existem?

     

É que eu só faço sestas de 2 horas...

   

Houve uma altura em que mandava lá o pai João quando achava que lhe tinha dado mama mesmo ainda agora!, mas o cachopo passou a berrar a plenos pulmões sempre que, a meio da noite, dava de caras com o pai e tive que me render...

       

Melhores noites hão-de vir...

  

Hábitos

Desde que o irmão se mudou para o quarto que agora é dos dois, que a rotina de ir para a cama ficou um pouco alterada.

   

Antes, líamos-lhe uma história com ele já deitado na sua cama, havia beijinhos e boas-noites e pronto! Até ao dia seguinte!

   

Mas agora, à hora a que se deita, já o irmão vai a meio do primeiro sono por isso a história é lida na nossa cama. O problema é que depois da história e dos mimos todos, quem é que o consegue arrancar dali acordado?

  

Comecei a ceder, uma e outra vez, (até porque me sabe tão bem tê-lo ali) e agora é ele que, assim que acabo de lhe ler a história, me diz Vá, mãe, lê agora o teu livro! porque eu leio sempre umas páginas antes de adormecer(mos).

   

Temos de voltar aos hábitos antigos... e depressa.

        

Mini-curioso

Hoje em dia, acho que só mama em condições à noite, no quarto às escuras, mesmo antes de o pôr na cama. Isto se não adormecer a meio, podre de cansaço.

   

É inacreditável a habilidade com que consegue mamar só com a boca virada para mim.

O corpo todo virado para o lado contrário, as mãos sempre a tactear alguma coisa interessante que possa aparecer, os olhos sempre em constante busca e até os pés mexem à procura de uma superfície engraçada onde os possa fincar.

Não sei com não ganha nenhum torcicolo!!

  

Eu é que não ganho para a paciência de ficar horas de mama ao léu, à espera que o meu ditadorzinho coma em condições.

   

É que mesmo no meio de tanta curiosidade, basta que eu ameace o gesto de arrumar tudo  para que barafuste imediatamente e dê mais três ou quatro chupadelas. Até se distrair outra vez...

          

Só para registar

O primeiro dia de férias a 4.

   

Prevêem-se muitas horas de brincadeira, muitos banhos de piscina, muitos passeios e algum descanso.

 

No fundo, banhos de atenção aos miúdos. Ao mais pequeno, que precisa conversa, mimos e brincadeira; e ao mais velho que ultimamente se tem ressentido do espaço que o irmão vai ocupando progressivamente.

              

A testar as cordas vocais

Palra sem parar, com uma variedade gigantesca de sons diferentes. No meio das conversadas que faz, saem-lhe uns papás com uma dicção perfeita, mas ainda sem significado.

Eu bem o vou treinando ma-ma-ma-ma... mas o som eme não há meio de lhe sair da boca.

    

Fala, fala, fala, guincha, grita...

E é bem capaz de nos deixar envergonhados em restaurantes quando se põe, todo contente, a experimentar todas as funcionalidades da sua garganta e não há meio de o calar.

  

Pág. 4/4