Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pai João e mãe Sofia

pai João e mãe Sofia

O meu rico filho...

... aprendeu uma palavra mesmo gira na escolinha.

       

E quando lhe digo que é uma palavra feia e que não a deve dizer, responde-me pois não... só a S., uma das auxiliares de educação.

    

Estou para lá de furibunda!

Adenda: As mentes mais criativas que se desenganem. Não chega a ser uma asneira, mas não é uma palavra usada cá em casa nem é bonita de se ouvir a sair da boca de um filho com dois anos.

30 semanas

Continuo com um aumento de peso inferior do que na gravidez anterior, mas em contrapartida cada vez mais pessoas me vão perguntando se este bebé nunca mais nasce e lá vou recebendo olhos esbugalhados em troca da data prevista para Dezembro. 

   

Na verdade, além de barriguda, tenho-me sentido extremamente cansada e com dores no final do dia (diz que tenho de abrandar o ritmo) e os dias vão passando comigo a sentir-me quase um elefante no meio das mesas baixinhas onde se sentam os meus alunos.

Não tenho pressa que ele nasça, mas vejo a minha mobilidade algo condicionada e também me parece incrível que ainda faltem dois meses.

       

Hoje foi a primeira consulta no hospital onde nascerá o bicharoco e já estou muito mais tranquila em relação ao parto. Abandonei definitivamente o médico anterior (um querido, mas a fazer serviço num hospital privado e com ideias de me fazer uma indução numa data a combinar a partir das 35 semanas, estava completamente fora de hipótese) e neste momento já tenho consultas marcadas até à véspera de Natal (!!!).

     

O filhote continua muito entusiasmado com a vinda deste mano que vai ocupando cada vez mais espaço nos nossos corações e que, desde que terminaram as férias se tem mostrado mais calmo (ou sou eu que estou menos atenta?), embora tenha dias em que se assemelha a um bicho-carpinteiro.

    

30 semanas... Já falta tão pouco...

        

Chegamos à creche...

... e ficamos a saber que durante as pinturas da manhã, entre tintas e pincéis, o filhote andou por lá a ensinar o blu, o red, o ellow, o ping e o green.

    

Ficámos babados, orgulhosos... e envergonhados com o tamanho dos elogios.

E, quanto a mim, por dar comigo a pensar que a língua desbocada dele que conta em casa tudo o que se passa na escolinha, está bem capaz de fazer o mesmo no sentido inverso.

   

Preparativos

Temos uns cinco pacotes de fraldas de recém-nascido e já comprei detergente para a roupa de bebé e um tira-nódoas xpto que, tenho esperança, há-de tirar as manchas brancas e amarelas que foram aparecendo com o tempo nas primeiras roupas do filho mais velho.

Agora falta é a coragem de pôr em prática o lavar, estender, apanhar, dobrar e arrumar...

      

Comprámos mais uns trapinhos para o bicharoco e no fim-de-semana passado desorganizei a roupa que estava separada em "nova" e "segundas núpcias" e reorganizei-a por itens.

Andava meio perdida com o número de coisas que tinha (quase não usámos bodies com o filhote, nunca lhe vestimos calças interiores e nunca se pôs o problema da secagem de roupa...) mas constato que temos bodies, calcinhas, meias e babygrows em número (parece-me que) suficiente.

  

Entretanto, o abre-e-fecha-gavetas-de-mini-roupa já começou e, embora ande felicíssima enquanto grávida, já começo a suspirar por um bebé nos braços!

   

As conversas já vão incluindo...

... palavras como , ainda, também e afinal.

    

... expressões como adoro maçãs e gosto pêras também ou vitória, vitória acabou-se a história ou (a minha preferida) palimpimpim o conto chegou ao fim.

   

... e verbos cada vez melhor conjugados. Começam a desaparecer os pingou-se, limpou-se, caiu-se e o tradicional pedido b(r)inca-me...

  

E, claro, todos os dias há palavras novas!

   

Depois da mãezite aguda...

A teimosia, o desafio e a desobediência.

  

Relembrem-me... eu queixei-me mesmo da mãezite aguda?!?

 

   

Porém, há ainda a esperança que esta nova fase seja apenas fruto da falta de descanso e de algum descontrolo das rotinas das últimas duas semanas, que têm sido uma loucura.

As conclusões ficam para depois do fim-de-semana...

    

Pág. 3/3